PESQUISA DE EQUIPAMENTOS

Pesquisa personalizada

28 setembro 2007

DO F-15 EAGLE AO F-22 RAPTOR. Mais que uma evolução natural, uma verdadeira revolução.


DESCRIÇÃO
A partir desta matéria, vou expor uma analise sobre a sucessão dos grandes caças norte americanos projetados nos anos 70 e que agora começam a ceder lugar a verdadeiras maravilhas tecnológicas para que a força aérea e a marinha dos Estados Unidos possam fazer a manutenção de sua superioridade nesse inicio de século onde os potenciais inimigos dos Estados Unidos apresentam um grande fortalecimento de suas forças armadas através de aquisição dos espetaculares aviões de combate russos que com seus preços acessíveis e ausência de restrições políticas de fornecimentos de armas avançadas por parte da Rússia acabaram por equipar muitas nações mal vistas pelo governo dos Estados Unidos.
Acima: Este F-15C está equipado com 2 tanques de combustivel alijaveis e ´mísseis de treinamento. O seu desenho já mostra os sinais da idade, embora ainda seja considerado uma aeronave de alto desempenho.
Para os antigos aficionados por aviação militar como eu, a chegada da hora de substituir um dos mais bem sucedidos aviões de combate da história, o F-15 Eagle, chega a ser um momento em que nos causa um sentimento de nostalgia e euforia ao mesmo tempo. Nostalgia porque o belíssimo F-15 já tem mais de 30 anos de serviço e mesmo as suas grandes qualidades de vôo e de armamento já não são capazes de impor superioridade aérea contra os caças russos que estão no mercado sendo fornecidos a muitas nações com orçamentos militares mais modestos e que muitas vezes não compartilham dos mesmos valores políticos e culturais norte americanos. Euforia, porque o sucessor do F-15 Eagle, já um clássico caça americano, tem que ser um avião com capacidades impares e que certamente, devido a natural capacidade que se espera do novo caça, de superar seu antecessor, deveria se tornar o melhor caça de combate aéreo de todos os tempos. Isso acabou por acontecer mesmo. O Lockheed Martin F-22A Raptor, projetado para suceder o F-15 Eagle nas missões de superioridade aérea representa o melhor avião de combate ar ar já construído.
Acima: O F-15C desta foto está pintado com as cores do esquadrão agressor, incumbido de simular aeronaves de combate inimigas em exercicios aéreos de combate.
O Mc Donnell Douglas F-15 Eagle havia sido desenvolvido para suceder o caça F-4 Phanton do mesmo fabricante que após seu uso na guerra do Vietnam teve evidenciado algumas limitações frente aos ágeis caças de fabricação soviética empregados pelo país asiatico naquele conflito. O F-15, desenvolvido em 1972, demonstrou ser mais ágil e manobrável que todos os caças soviéticos em uso naquela época além de possuir uma taxa de subida e aceleração igualmente superior, batendo, inclusive, alguns recordes mundiais de desempenho na década de 70.
Mesmo sendo um caça com elevado custo de aquisição assim como de manutenção, os F-15 conseguiram ser exportados para vários países que mantêm um bom relacionamento com os Estados Unidos. O Estado Judeu, Israel, foi um dos países que receberam o F-15 e tiverem a oportunidade de empregarem este caça em combate pela primeira vez durante o conflito contra o Líbano e que acarretou na derrubada de 13 caças Mig 21 Fishbed e 2 caças Mig-25 Foxbat sírios. Oficialmente, no ocidente, o F-15 mantém um recorde de 103 derrubadas inimigas contra nenhuma perda, se tornando um dos mais letais aviões de combate da história. Essa versão dos acontecimentos é contestada por fontes orientais. Porém, é certo que o F-15 é um grande caça, muito respeitado, mesmo por seus adversários.
Acima: Nesta bela foto o F-15C mostra toda a sua imponência. O F-15 é um dos mais classicos caças da força aérea dos estados Unidos.
A Rússia, ainda na época da União Soviética, começou a desenvolver dois projetos de caças sendo que um deles deveria ser um avião de longo alcance e o outro, um caça de curto alcance. Esse avião de longo alcance, inicialmente chamado de T-10-1 representou um incrível aumento na capacidade de combate da força aérea russa. Hoje este avião é conhecido pelo nome de Su-27 Flanker, e suas derivações Su-30 e Su-35, e representam uma espécie de “anti-eagle” dado ao fato de seu desempenho ser similar em muitos aspectos e superior em outros quando comparado com seu adversário natural o F-15 Eagle. Embora temos que um combate aéreo é muito mais complexo do que a mera comparação de desempenho individual de cada aeronave, de forma que se deve levar em conta elementos de apoio como aeronaves radar (AWACS/ AEW), táticas, armamentos e habilidade do piloto, ainda sim, o novo caça russo, representou um sério perigo para os caças F-15 Eagle em operação. Muitas nações adquiriram o Su-27 ou suas versões avançadas multifuncionais e algumas dessas nações se exercitaram em treinamentos conjuntos com a força aérea norte americana onde se pode avaliar o desempenho do Eagle frente ao novo caça russo. Infelizmente, para os norte americanos tão acostumados a se saírem bem nesses exercícios, o resultado tem sido uma clara vantagem dos Flankers frente aos Eagle. Esses treinamentos serviram para avaliar e também comprovar essa vantagem que já era esperada devido a simulações e estudos previamente feitos e que já mostravam a superioridade do caça russo frente a atual geração de caças norte americanos e ocidentais em geral. Embora versões avançadas do Eagle tenham sido apresentadas e colocadas em serviço, o fato é que elas só conseguem se equiparar ao caça Flanker sem superalo de forma definitiva.
Acima: O F-22A Raptor foi desenvolvido como sucessor do F-15 Eagle. Uma responsabilidade que acarretou na construção do mais caro avião de combate da história.
Por esses fatos explicados acima, podemos observar que é necessário que a força aérea dos Estados Unidos se reequipe com um sucessor para o F-15, que possa, novamente, colocar uma vantagem absoluta sobre os caças russos que estão em serviço, como o Flanker, e por que não dizer, também, os caças europeus que estão entrando em serviço.

Os estudos para substituir o Eagle levaram a uma serie de requisitos de desempenho e características que colocariam o novo caça na vanguarda do combate aéreo moderno, impondo não só a superioridade aérea, mas sim, o domínio aéreo, um conceito muito mais absoluto. Entre os requisitos principais havia a necessidade de que o novo caça tivesse capacidade de vôo em supercruzeiro (voar em velocidade supersônica sem uso de pós combustão por longos períodos), alta manobrabilidade e agilidade superior ao caças de 4º geração em uso nos Estados Unidos, boa autonomia, e a mais marcante característica e provavelmente a mais importante; ser stealth (de difícil detecção ao radar). O F-22A Raptor, foi desenvolvido pela Lockheed Martin com ajuda da Boeing Company após o protótipo YF-22 derrotar o protótipo do YF-23 da Northrop Grumman, e hoje, com 183 unidades encomendadas sendo que 100 unidades foram entregues até o mês de setembro de 2007, tem preenchido com louvor todos esses requisitos.
Acima: Este F-22 sobe a toda potência de seus motores PW F-119. O F-22 é o mais potente avião de combate já construido.
Em treinos e testes recentes o F-22 houve uma demonstração em que o F-22 venceu todos os 109 engajamentos contra caças F-15. Ou seja, ele “derrubou” todos os Eagle em simulações sem que nenhum F-22 fosse alvejado. Esse teste mostra o acerto que foi a seleção dos requisitos que levaram os projetistas a construírem o F-22 Raptor, certamente o melhor caça de combate aéreo nos dias de hoje. O F-22 é o único caça de alto desempenho de baixa detecção em serviço nos dias de hoje. Seu elevado desempenho proporcionado pelos dois motores Pratt and Whitney F-119 PW-100 que rendem 15600 kgf de empuxo com os pós-combustores acesos, sendo mais potente que a ultima versão do motor do F-15E Strike Eagle, Pratt and Whitney F-100-PW-229 que rende 14500 kgf de empuxo. Essa força extra dos motores do F-22 permite uma relação empuxo peso de 1.45, o mais potente caça já construído. Essa potencia permite ainda, que o F-22 atinja velocidades de 1650 km/h sem o uso de pós-combustão, por tempos que excedem 30 minutos, mesmo com sua carga de combate. Já a velocidade máxima chega a 2150 km/h com os pós-combustores acesos. Essa capacidade, aliada a furtividade do F-22, faz com que o F-22 consiga chegar mais rápido que seu inimigo a um determinado ponto, sem ser visto, entrando em condição de lançamento de suas armas e assim conseguir disparar primeiro e sair da zona quente mais rapidamente. Ainda, se ocorrer a necessidade de enfrentar um combate corpo a corpo, ou “dog fight”, a elevada manobrabilidade e agilidade conseguida pela avançada aerodinâmica e seus motores de empuxo vetorado, garantem uma grande chance de vitória. Na verdade o F-22 é o caça mais manobrável a entrar em serviço na força aérea dos Estados Unidos. Sua agilidade e manobrabilidade se aproximam do desempenho atingido pelo caça russo Su-27 Flanker.
Acima: Em uma passagem em baixa altitude, este F-22 se exibe em uma demonstração aérea.
O Radar de varredura eletrônica ativa AESA AN/APG-77 da Northrop Grummam funciona com baixa emissão de radiação (LPI), diminuindo a chance de ser percebido pelos sensores do inimigo e ainda, possui uma capacidade de detecção na faixa de 270 km contra alvos de 3m2 de RCS (do tamanho de um caça). Todas essas qualidades tornaram o F-22 o mais caro caça já construído, sendo que cada unidade custa em torno de U$ 200.000.000,00. Esse elevado custo obrigou a força aérea norte americana a ter que diminuir o numero de encomendas que inicialmente eram de 381 unidades, para 183, já contratados. Porém é quase certo que após a entrega do ultimo F-22 dessa encomenda, a força aérea acabe por encomendar mais algumas unidades.O F-22 representa uma solução cara, porém eficiente para superar os caças russos de 4º geração como o Su-27 e seus derivados, sendo que a força aérea dos Estados Unidos, deverão, ainda manter o seu F-15 Eagle na ativa por muito tempo ainda, devido ao numero pequeno de encomendas do caro F-22.

ABAIXO TEMOS UM VIDEO DE DEMONSTRAÇÃO DE UM F-22 A RAPTOR.

24 comentários:

jeremias disse...

Primeiramente parabenizo pelas reportagens as quais aprimoram a nossa cultura e agradeço pela atenção recebida.
Eu percebi na ficha técnica compara que o F-22 possui uma velocidade máxima inferior ao Eagle. Também pude perceber que os dois caças detêm a mesma razão de subida. Os dados respectivos estão corretos? Só observações de um leigo na área aeronáutica.

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Jeremias. Tudo bem? A velocidade máxima do F-22 é inferior a velocidade maxima do F-15, porem, cabe lembrar que o F-15 só atinge tal velocidade em pouquissimos minutos. O F-22, por sua vez, mantem por longos periodos a velocidade de mach 1,7 (velocidade de cruzeiro). O F-15 não consegue nem chegar no mach 1 nessa condição... Assim,na pratica, uma "corrida" entre os dois, o F-22 chega antes.
Com relação a razão de subida o F-22 tem esse dado secreto, e o dado colocado no blog é estimado.
Abraços

Sonia disse...

Olá td bem??
Amei esse blog, além de linda as fotos e os vídeos é completo e muito bem elaborado. Parabéns!!!
Espero um dia de minha vida ter a honra em voar em um desses maravilhosos caças, alguém se habilita em me ajudar a realizar esse sonho??

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Sonia.
É interessante saber que existe um serviço de turismo, em que voc}e pode adquirir um pacote para treinar (só preparação) e voar em, praticamente qualqier caça russo de linha de frente. O serviço é caro... dependendo do avião pode chegar até a U$ 35000,00 ou pouco mais. Mas para um apaixonado por aviões de combate (e endinheirado) vale a pena.
Obrigado pelo elogio ao Blog.
Beijos

Roberto disse...

Rodrigo :ola carlos gostei do Blog. gosto muito de caças mais sou leigo. gostaria saber que significa pós combustão, e um tipo de reserva

Carlosarguspandragons disse...

sr, Carlos , pf favor a sua opinião , como profissional do ramos; pq o BRASIL ñ comprou td o projeto do Norethrop F 20A dos ainks , teriamos ou ganhado + experiência no setor, o q o amigo tem a dizerJá q seu blog e mt respeitado e tifdo como fonte referencial. desde já ogd .

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Roberto.
Pós combustão é um recurso de aeronaves de alto desempenho, normalmente caças ou mesmo bombardeiros supersônicos, onde o combustível do avião é injetado diretamente após a câmara de combustão do motor gerando um aumento extremo na potência (e conseqüentemente no consumo de combustível também)permitindo uma aceleração mais rapida do que se conseguiria sem esse recurso. Comparando de forma generalisada, seria como você estar correndo com seu carro e em um momento você precisar de mais velocidade ainda, e nesse momento você abre o turbo compressor, fazendo seu carro acelerar ainda mais e rapidamente.
Aeronaves supersonicas, normalmente, precisam usar o pós combustor para ultrapassar a barreira do som. O F-22 não precisa. O motor dele é potente o suficiente para conseguir romper a barreira do som (e com boa margem, diga-se de passagem) só com a potência normal, também chamada de potência militar. Sabe quando você vê aquelas línguas de fogo saindo da tubeira dos motores dos caças??? Então, aquilo é um dos efeitos do pós combustor ligado.
Abraços

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá carlos. O projeto do F-20 não foi oferecido ao Brasil. E mesmo que tivesse sido, o preço seria alto demais para aquela época, quando nossos governantes de direita, não investiam em forças armadas, deixando a situação chegar onde chegou.
Tenho um artigo nesse blog que trata do F-20. O link é: http://aircombatcb.blogspot.com/2008/03/northrop-f-20a-tigershark-de-um.html
Copie e cole em seu navegador esse endereço que você terá acesso a matéria.
Abraços

Roberto disse...

valeu pela resposta bem especifica.

Danielgomes disse...

ola eu chamome Danielgomes e sou um fanatico pelo eagle f.15 ja desde pequeno que o meu sonho é pilotar um caça desses mas não sei qye fazer para realizar esse sonho.
Gostava tambem de saber se os eagle f.15 irão ser tirados de ves da força aerea apos terem numero suficiente de f22?

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Daniel Gomes.
Os caças F-15 serão usados por mais uns 10 anos. Eles serão substituídos por alguns F-22 e o resto será substituídos por caças F-35. Porém o modelo F-15E Strike Eagle continuará em serviço por mais tempo... provavelmente até 2025.
Abraços

Danielgomes disse...

ola sou eu novamente é para lhe dizer que adoro seu blog.
E tambem gostava de saber se portugal esta a penssar em fazer mais alguma encomenda de caças alem dos 17 f.16 k possuem?
obg

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Daniel Gomes.
Obrigado pelo elogio!
Infelizmente desconheço se há algum programa de aquisição para a força aérea portuguesa em andamento.
Abraços

Leonardo disse...

ola carlos gostei m uito desse blog...eu queria saber qaunto custa esse caça f-22,mais outra pergunta, qual dos 3 caças que o brasil deve comprar e melhor,ABRAÇÃO!!

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Leonardo. Obrigado.
O F-22 custa cerca de U$ 300.000.000,00 de dolares a unidade, sendo o mais caro caça da história.
Sobre o programa FX-2, o melhor caça, tecnicamente é o rafale, porém ele é mais caro.
Abraços

Leonardo disse...

e muito caro esse caça f-22,muito obrigado carlos esse blog e muito bom...sucesso!!!!!!!!

Paul. L. Saldanha disse...

Olá Carlos sou um fã do seu blog,tenho 15 mas ja entendo bastante de aviação militar(resultado de documentarios e rvista que eu acompanho desde os 7 anos) e tenho um sonho de um dia chegar a entrar nun cockpit de um caça como piloto e fechar o canopy para o voo;mas fico muito desapontado com o governo brasileiro que não investe no nosso poder militar,apesar de termos soldados,pilotos,e etc muito bem treinados não temos equipamento eu queria saber se há chance do nosso pais adquirir aeronaves mais sofisticadas?(alem dos 36 Dassault Rafale F3) agradeço desde já

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Paul.
Chance existe, mas não de imediato. O investimento em aviões de combate e seus respectivos armamentos sempre é muito alto o que complica a liberação de verbas pelo governo.
Abraços

Wilson disse...

Olá Carlos...

O F-15E Strike Eagle é um bom vetor de defesa aérea? E, no caso de um ataque terrestre em combate, ele usa meios de se tornar dificil de ser detectado pelo radar (SAM,radar em terra, caças) inimigo ou depende de outra aeronave de guerra eletrônica?

Abraços!!!

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Wilson. De acordo com as capacidades disponiveis no F-15E, ele dá, sim, um bom vetor de defesa aérea. Ele tem muito boa autonomia, boa agilidade, e é bem rápido. O modelo, reflete bem no radar inimigo, e usa uma suite de guerra eletronica, operada pelo operador de sistemas (piloto de traz) que o ajuda a dificultar a vida do caça inimigo, porém, ele é uma aeronave bem convencional nestes termos, de invisibilidade.
Abraços

Carlos H disse...

Boa noite Di Santis, Meu nome é Carlos h, hoje tenho 31 anos.
Meu maior sonho era ser um piloto da aeronautica, sou louco por avioes-caças, desde de criança.
Chequei a fafez o antigo esa, convite emplantado nos colegios mais ou menos no ano de 1995.
Na epoca eu morava em florianopolis sc, eu fiz eu cheguei a ser graduado, mais qdo atingi a idade de 18 anos e me apresentei, fui dispenssado pelo motivo de estar fora do peso e altura, agora te pergunto [e justo vc estudar e ser reprovado, meu mundo acabou e desiti de tudo, inclusive me mandaram para o exercito e pedi despença.
agora minha duvida:Existe um teto de altura e peso para piloto.
Desde ja agradeço, muito bom teus comentarios parabens, que Deus sempre esteja voando ao teu lado. abraços...

Carlos H disse...

Di Santi, outra coisa posso retomar os estudos para tentar me tornar piloto com essa idade de 31 anos, ja que tenho mais experiencia em computaçao.

Carlos E. Di Santis Junior disse...

Olá Carlos.
Para ser piloto militar, especificamente de combate, há exigências físicas especificas, das quais não sei especificar. Mas realmente é uma prática esse tipo de requisito. Outra limitação é a quantidade de candidatos a pilotar os poucos aviões de combate que a força aérea tem a sua disposição, que acaba fazendo com que a seleção dos aspirantes seja extremamente dura em termos de requisitos.
Pelo que sei, existe exig~encia de uma idade máxima para entrar na AFA (Academia da Força Aérea, e sua idade poder ser um impeditivo também.
Agradeço seu elogio e sua visita ao blog Campo de Batalha.
Abraços

paixão disse...

O que houve foi um desinteresse do aparelho(F20)em detrimento do (F18)não teve sequer encomenda de outros Países..